Ultimas Postagens

QUEIJADINHA SUPER FACIL


Uma queijadinha cremosa em baixo e crocante gratinada em cima. Não tem como ser melhor. É a melhor queijadinha do mundo!!!

Um dia você diz pra ela: "Ah amor, eu adoro queijadinha... Comia bastante na infância..."

Daí ela vai la, aprende uma receita super simples, prepara com carinho, e te surpreende apresentando o doce que você mais gosta, na melhor versão que você já provou na sua vida!

Agora só resta compartilhar a receita né..

Ingredientes:
1/2 Lata de leite condensado
50g de côco ralado sem açucar
1 Gema
4 Colheres de sopa de queijo parmesão ralado fino (se for o ralado na hora, melhor)
1/8 Xícara de chá de leite

Modo de Preparo:
  1. Coloque todos os ingredientes em uma tigela e misture muito bem.
  2. Em uma forma de cupcake de silicone, coloque a mistura e leve para assar em banho maria
  3. Forno aquecido, asse por 200º por 40 minutos ou até ficarem douradinhas por cima
  4. Leve a geladeira por no mínimo 4 horas, e desenforme com cuidado virando de ponta cabeça e apertando elas pela bundinha, até saírem.

Fica a dica:
Dura até 7 dias na geladeira, não perde a textura com o tempo e rende 6 porções. Sirva sempre gelada! ;)


O MELHOR CHOCOLATE QUENTE DO MUNDO (Receita)


E com todo este frio dos últimos dias, a namorida resolveu fazer aquele chocolate quente que você respeita. 

Ficou perfeito. Literalmente o melhor chocolate quente comfort food do mundo!

Serve bem pessoas como nós, que gostamos de uma bebida quente, não muito doce, e que descesse aveludada e cremosa. Saborosa como um bom chocolate, e pode ser servida até para crianças, já que não levou nada alcoólico (sic). 

Ok, teve pitacos meus, mas a execução e o mérito é total dela.

Ingredientes para 3 a 4 canecas bem cheias:
1 Caixinha de creme de leite (precisa ser o de caixa)
1/2 Lata de leite condensado
4 Colheres generosas de cacau em pó (não é achocolatado hen!?)
1 Pitadinha de canela em cada caneca (a gosto)
Leite até ficar na consistência que você mais gostar
E só, viu que dificil? Como não fizemos isso antes né?

Modo de preparo é muito simples.
Basta misturar tudo e levar ao fogo em uma panela quase até ferver, mexendo sempre.

Ah e muito cuidado que é uma belezura pra queimar a língua (experiencia própria, repetidas vezes).

Fica a dica:
O inverno este ano no país será super curtinho, e estamos no seu auge, então não deixe pra fazer amanhã, Ok?! ;)

RECEIRA DE SOURDOUGH STARTER, LEVAIN, FERMENTO NATURAL, MASSA OU PASTA MADRE


Sourdough starter, levain, ou fermento natural sourdough, pasta madre, massa madre, massa mãe.. São muitos os nomes que dão, para este preparo caseiro, natural e super simples. 

Nos dias de hoje, nenhum fermento comprado nos mercados é livre de químicas. Todos levam alguns ingredientes que aceleram o processo das leveduras. E se você pensa em preparar uma dieta e um alimento mais natural, esta é a sua praia. 

Alem do que, se você é como eu que nunca foi muito fã ou gostou muito de pão caseiro que nossas mães faziam, com certeza você vai amar este pão que fica totalmente rústico, de aroma um pouco cítrico, e consistência daqueles pães tradicionais italianos. 

Mas sobre o pão, já ensinamos como prepara-lo em outro post (confira aqui), e o foco de hoje é na levedura, ou fermento. 

O modo de preparo é lento, de 5 a 7 dias pra ficar pronto, e precisa trabalhar nele todo dia, mas não se preocupe que este seu "trabalho" não ultrapassa 2 ou 3 minutinhos diários.

Para começar, junte 1 1/2 xícara de farinha de trigo, de preferência integral, e um pouquinho de agua, só o quanto bastar pra ter uma massa agregada mas ainda super úmida.
Acrescente 2 colheres de mel para dar mais alimento às leveduras e seu fermento ficar pronto mais rápido, e misture tudo até ficar uma pastinha homogênea. 


Deixe descansar em um recipiente bem fechado e temperatura ambiente por 5 a 7 dias, mas na verdade, todo dia você deve acrescentar mais meia xícara de farinha e um pouquinho de água, sempre até ficar aquela pastinha úmida, e mexer bem até ficar homogêneo. 

Um detalhe importante para quando você for escolher o seu recipiente, é que além do acréscimo diário de ingredientes, ela também vai dar uma boa inchada quando as leveduras começarem a trabalhar e as bolhas de ar começarem a se formar, então sempre escolha um recipiente que sobre um bom espaço para esta expansão. 

Entre o 4º e o 5º dia, quando você perceber que seu Sourdough já esta crescendo mais rapidamente, e no dia seguinte ficou mais liquefeito, já está quase pronto, e agora é hora de fazer algo absurdo!!!

Jogue fora (no lixo mesmo!) metade do seu preparo. Acrescente mais 3 xícaras de farinha, e aquele tanto de água necessário. Mexa bem, deixe descansar mais um dia, e seu Sourdough já estará pronto para a sua utilização. 

A ideia de jogar metade do seu preparo fora, é que sabendo que você vai utiliza-lo no dia seguinte, você vai querer que suas leveduras estejam na maioria jovens e super ativas e famintas, então, jogando metade fora, e refazendo a metade, você estará preparando seu Sourdough para um novo batalhão de leveduras, mas sem perder a outra metade que fará a procriação super rápida pois já esta totalmente evoluída.

E sempre que você pensar em fazer um pão ou uma massa qualquer com este Sourdough, repita este mesmo procedimento de renovação das leveduras no dia anterior. 


O Sourdough após utilizado deve ser guardado na geladeira, e não precisa ficar mexendo todo dia.

Ele dura la na geladeira quetinho, de 7 a 10 dias. Quando chegar neste prazo, você deve renova-lo com a dica das metades, ou ele realmente irá azedar demais e aí você perderá o seu Sourdough. 

Bom, só pra falar mais alguns detalhes sobre o processo, é que você não deve se preocupar com o cheiro. Ele realmente irá ficar com um cheiro um pouco forte de farinha azedando, mas nada terrível como comida podre. E quando você fizer o seu pão, é normal que o retrogosto do seu paladar lhe diga que este pão tem notas mais cítricas ou um suave azedinho no fundo. Este é o tempero e o diferencial deste fermento, além de ser totalmente natural. Você irá se apaixonar!

Fica a dica:
Se você não quiser fazer pão toda a semana, ou se acabou fazendo muito mais fermento do que vai utilizar, não perca a sua semente que levou tanto tempo pra ficar boa, e doe ela para algum amigo ou vizinho que irá dar continuidade a ela e aproveitar! Aliás, dizem que quanto mais idade seu Sourdough tem, melhor será o seu sabor. O meu já esta com quase 6 meses e pretendo mantê-lo por muitos anos. Quem sabe no futuro eu não volto aqui pra contar pra vocês se essa teoria é verdadeira?! ;)

BOLETOS EM DELPHI - COMO DESENVOLVER E EMITIR COM E SEM REGISTRO


Esta é uma Vídeo Aula onde eu ensino em detalhes como Emitir boletos com e sem registro em aplicações Delphi. 

A Vídeo Aula não fornece o código fonte da aplicação utilizada no exemplo.

O objetivo é que você já tenha ou saiba como desenvolver um sistema comercial básico, e vamos focar na emissão dos boletos. 


Ensinarei passo a passo em detalhes, de onde e como baixar os componentes gratuitos necessários (ACBR), como instalar e integrar ao seu Delphi. 

Posteriormente, como utilizar o componente e alimentar o seu boleto, comentando linha a linha.

Adquira já o seu curso pelo link abaixo:

http://produto.mercadolivre.com.br/MLB-824471756-curso-como-desenvolver-emisso-boletos-em-delphi-_JM

Fica a dica:
Também temos cursos completos e detalhados sobre emissão de NFe e impressão de etiquetas em impressoras PPLA e PPLB como Argox. Confira!!!

Como desenvolver emissor NFe em Delphi


Vou ensinar em detalhes como desenvolver em uma aplicação em Delphi de uma maneira simples e prática, a geração, assinatura e emissão de uma NFe.

Vale lembrar que o curso não lhe ensina a desenvolver um sistema comercial. Ensina apenas como agregar a um já pronto, os módulos e métodos de emissão de NFe. 

Junto com a vídeo aula de cerca de 2 horas de duração, eu não envio o código fonte do sistema comercial que eu utilizo no exemplo, porque o objetivo da aula não é lhe ensinar a desenvolver um sistema comercial básico, mas eu passo e explico em detalhes, de onde vocês podem baixar o módulo gratuito com as dlls basicas que precisam ser agregadas ao seu sistema já pré fabricado. 

Em resumo, irei explicar passo a passo como baixar os componentes gratuitos, depois como agregá-los ao deu Delphi, e posteriormente, como integra-lo ao seu sistema comercial, como configura-lo e como alimentar linha a linha até a completa emissão e impressão da sua NFe.

Utilizados:
Componentes gratuitos ACBR
Delphi 7
Layout NFe 3.10

Se você se interessou, acesse o link abaixo, e adquira já o seu curso!
http://produto.mercadolivre.com.br/MLB-823769069-curso-emissor-nfe-delphi-_JM

Fica a dica:
Também temos cursos sobre a emissão de Boletos registrados, em Delphi, e emissão de etiquetas em impressoras PPLA e PPLB como Argox. Confiram!

PÃO AUSTRALIANO PERFEITO INTEGRAL COM LEVAIN (MASSA MADRE)



Não sei se isso aconteceu só comigo, mas conforme fui ficando mais velho, fui ficando mais seletivo e exigente quanto as minhas escolhas de alimentos. 

Somado a isso, assisti recentemente a um documentário falando sobre o Glúten, e por que no passado, as intolerâncias e alergias ao glúten eram tão mais raras. 

Uma breve explicação, é que isso está muito relacionado às inúmeras químicas adicionadas aos pães e massas industrializados, mas também nos caseiros pois utilizamos fermentos super ativos modificados, que não dão o tempo necessário para o glúten fermentar como deveria. 

A alternativa era o básico: Pão feito em casa com fermento natural caseiro. 

As primeiras tentativas não ficaram legais, mas foram melhorando muito com a minha insistência. E no ultimo final de semana, fiz um Pão Australiano mais que perfeito. Fica bem escuro mesmo sem corantes, e com um forte sabor do cacau. Digno de Master Chef. Mas a base é a mesma para um pão rústico, que fica também muito bom, e com muito menos ingredientes. 

Vamos do início:
Primeiro, se você ainda não tiver na sua casa um Levain ou Massa Madre (que eu acho que são a mesma coisa), é muito simples de se fazer apesar de demorado. 

Em uma vasilha limpa com tampa, misture 3 colheres de farinha de trigo integral, e 1 1/2 de água mineral, e misture bem. O objetivo é uma meleca nem seca, nem liquida. Meio termo. 

No segundo dia, acrescente a mesma quantidade de ingredientes e mexa bem.

No terceiro dia, apenas mexa bem, e acrescente 1 colher rasa de mel ou açúcar mascavo (isso será acrescentado realmente apenas neste terceiro dia).

No quarto dia, acrescente a mesma quantidade de ingredientes e mexa bem. 


No quinto dia, apenas mexa bem. 


No sexto dia, jogue metade do seu resultado no lixo (não é loucura, está chegando a hora de usarmos isso no nosso pão, e queremos uma levedura renovada, sem perder as bacterias mães para agilizar o processo), e acrescente 60 gr. de farinha de trigo integral e agua suficiente para obter novamente aquela pasta bem umida. 

No sétimo dia, se tudo deu certo, seu Levain ou Massa Madre estarão prontos. 

Para evitar que algo dê errado, as dicas são as seguintes: Mantenha em local de sombra, e em temperatura de 20 a 30 graus. Sempre tampado, mas não hermeticamente. 

Agora vamos ao pão. 

Os Ingredientes são:
200ml de água mineral temp. ambiente
147g farinha de trigo comum
147g farinha de trigo integral
7g de sal
50g de levain
(Para o pão rústico, pare aqui, e siga diretamente para o modo de preparo. Para o pão australiano, acrescente os demais ingredientes)
18g de mel
53g de açúcar mascavo ou demerara
27g de cacau puro e em pó
+ Farinha de fubá para polvilhar (apenas estética)

Modo de Preparo:
Misture o seu levain ou massa madre, com a água até ficar bem dissolvido.
Em outro recipiente, misture todos os ingredientes secos.
Aí então, misture tudo junto em um único recipiente, com o auxílio de uma colher forte. Mas misture bem até todos ingredientes estarem bem agregados e misturados. Não precisa sovar, e você até pode misturar com as mãos, mas a massa ainda estará bem grudenta, então você pode ter problemas. Forme uma bola de massa e deixe descansar por 30 minutos.
Dobre a massa de 6 a 8 vezes para deixa-la bem aerada, e repita este processo a cada 30 minutos por mais 3 vezes (total 4).
Ao final desta etapa, faça novamente as dobras mas agora a cada 1 hora (2 vezes).
Todo estes períodos de descanso da massa deve ser em uma vasilha fechada, ou com um pano limpo por cima.
Agora, deixe a sua massa fermentar quetinha por mais ou menos de 4 a 5 horas ou até você perceber que ela dobrou de tamanho, em uma forma de pão de forma de silicone sem untar como eu utilizei, ou em qualquer outra forma, tomando o cuidado de untar bem. E feche o recipiente com plástico film.
Faça agora um ou alguns cortes na sua massa para indicar o seu crescimento e estética, polvilhe o fubá se quiser, e coloque para assar. Nos primeiros 10 minutos, forno alto (já pré aquecido), e por mais 35 minutos em forno médio.
Deixe em um espaço alto no seu forno, para não queimar em baixo.
Quando terminar, deixe descansar fora do forno por mais 10 minutos e pronto!

Fica a dica:
Para o seu pão ficar com uma casca crocante, assim que colocar ele no forno jogue um pouco de água nas paredes do seu forno para fazer vapor, ou deixe um recipiente com água próximo do seu pão no forno. Ou se quiser apenas uma casquinha fina como a de um pão caseiro, esqueça essa água. ;)

IMAC TELA BRANCA WHITE SCREEN (RESOLVIDO)


Na última semana, recebemos na empresa, um IMac com Yosemite instalado e um problema sério. 

O problema é que as vezes ele travava quando executava algo gráfico mais pesado mas principalmente, uma tela branca durante a inicialização apos o logo da Apple e ficava travada eternamente assim. 

Tentamos substituir memórias, HD, e nada resolveu.

Tentamos então atualizar para o El Capitain, mas também não resolveu.

O que realmente resolveu no nosso caso foi o seguinte:
Abrimos o equipamento e entre um milhão de testes e alterações, detectamos que o equipamento possui 3 sensores térmicos externos ligados a placa mãe - 1 no drive de DVD, 1 no HD, e outro no LCD. 


O problema era exatamente no sensor que captava a temperatura do LCD. 

Simplesmente desligá-lo, não foi a melhor solução. Talvez o problema esteja mais relacionado com o receptor do que com o sensor de fato. Com ele simplesmente desligado o defeito era o mesmo. Apenas demorava mais para acontecer. 

O que fizemos então para resolver, foi ligar este sensor externo, em uma parte da carcaça que não aquecia jamais acima de 30 graus (parte inferior). 

Percebemos que quando este sensor capta temperaturas acima de 30 graus, é que os problemas começam a acontecer. Então colamos ele na carcaça do equipamento onde a temperatura não ultrapassa este patamar crítico e problema resolvido.

Pensamos em substituir o sensor, mas além de ser dificil de encontrar no mercado, acreditamos que não seria a melhor solução e que o problema esta mais crítico no receptor, que é um chip da placa mãe, e que também não deve ser substituído no momento. 


O que pode dar errado fazendo esta alteração, é o seu LCD aquecer demasiadamente e queimar, mas sejamos sinceros: Em caso de superaquecimento, o que não vai faltar são outros sensores para captar esta alta temperatura interna, como o sensor do DVD que fica a milímetros do LCD. 

Gostaram da dica?

Me contem se deu certo por aí!
Quem sabe posso ajudar em algo mais.

Fica a dica:

Quando forem abrir o seu equipamento para verificar e talvez executar estas alterações, aproveitem e desobstruam as entradas e saídas de ar. Dependendo do período da ultima manutenção, e do ambiente em que este equipamento trabalha, podem se formar umas espécies de "almofada" de poeira, que impedem uma boa circulação de ar. ;)

MOLHO BARBECUE DE GOIABA EM 10 SEGUNDOS


E quando você está em casa sem ter o que fazer, e resolve criar alguma receita divertida?

Claro... Você provavelmente vai fazer algo tão louco quanto ruim.

Mas não é que de vez em quando... Você pode acertar?!?!

Estávamos em um bar estes dias atrás, e degustamos alguns aperitivos com um molho Barbecue de Tamarindo, e aquilo me deu uma idéia... Com goiaba combinaria pra caramba!

Fui no mercado e por sorte encontrei aquela goiabada já em textura pastosa. Mas se você não encontrar, pode utilizar a cascão mesmo, e esquente ela para ficar mais fácil de trabalhar. 

O modo de preparo e os ingredientes foram a parte mais facil da receita.

Ingredientes;
4 colheres de chá de goiabada
1 1/2 colher de chá de shoyo
1 colher de chá de molho inglês
1 pitada de canela
1 pitada de páprica (eu utilizei a picante)
e Sal a gosto. 

Modo de preparo:
Só misturar tudo. Nóóóósssa que difícil hen!?

Claro que você pode alterar as proporções para ficar mais do seu paladar. Mais doce, mais salgado, mais ácido... 
Combinou muitíssimo bem com uma carne de porco assada e desfiada, queijos fortes, e para caramelizar preparos em geral.

Diferente da maioria das postagens do blog, esta não é uma receita muito light. Estas goiabadas prontas além de conservantes, ainda são ricas em açúcares. Mas lembre-se que todo molho barbecue pronto é praticamente tão "gordinho" quanto, então por que não ousar utilizar sua criatividade?

Fica a dica:
Dura bem uns 2 ou 3 dias na geladeira. Depois disso pode ficar com um gosto mais estranho, Se alguém desenvolver alguma receita bacana feita com tudo caseiro, sem precisar comprar esta goiabada pronta, e que não leve tanto açúcar, compartilhe comigo que faremos a postagem para que todos possam aproveitar também!!! ;)


SOURCREAM EM 30 SEGUNDOS E 3 INGREDIENTES


Estes dias vendo alguns vídeos no Youtube, e nessa historia dele colar um vídeo no outro, entrou um vídeo daqueles canais norte americanos com receitas fáceis, e mal acreditei nesta receita super simples de SourCream. 

Fiquei tão intrigado que cheguei em casa e testei.

Resultado: Deliciosooo!!!!

A receita é tão simples quanto rápida.

Misture 3/4 de Creamcheese light, 1 pote de iogurte natural desnatado (eu utilizei o Paulista, porque tem a consistência mais líquida, ideal para o prato), e o suco de meio limão. 

Dura 1 dia na geladeira, e rede pra caramba. Se quiser, tempere também com uma pitada de sal e pimenta do reino.

Fica a dica: 
Se você quiser o seu sourcream ainda mais liquido, basta você acrescentar um pouquinho de creme de leite fresco, mas é totalmente a gosto, e das ultimas 3 vezes que fizemos em casa, em nenhuma isso foi necessário. Arribá!!!! ;)

TOMATE SECO EM 21 MINUTOS - CASEIRO ORGANICO E LIGHT


Estes tomates secos ficaram incrivelmente deliciosos, melhores que aqueles em conserva no mercado, sem nenhum aditivo conservante industrial, totalmente orgânico, e super light!

Fiz essa receita em casa, e se não tivesse guardado um pouco pra namorida, teria devorado tudo sozinho no mesmo dia. 

Como toda receita, e esta não poderia ser diferente, não fui eu quem criou. Vi pela internet um site ensinando em um vídeo resumido, a ideia e os tempos, mas claro, que dei aquela modificada básica mas essencial. 

Não vou nem descrever separadamente os ingredientes e modo de preparo porque é tão simples (mesmo), que durante a explicação do preparo já vamos falando sobre os ingredientes (tomates, azeite e temperos... Tuuuudo isso!).

Pra começar e poder chamar de orgânicos, eu encontrei estes tomates italianos no mercado que eu frequento. Estavam lindos, super vermelhinhos e sem nenhum machucado. Perfeitos! Mas claro que você pode fazer com tomates que não sejam orgânicos, desde que sejam bem maduros e de preferencia os italianos, que são estes mais adocicados e menores. Ah, e falando sobre orgânicos, pra valer a nomenclatura, não vale pensar só nos tomates viu!? Lá em casa, para esta receita, utilizamos também o azeite e temperos, todos orgânicos. Não é nóia geral, nem regra lá em casa, mas sempre que podemos, e o preço não é absurdo, estamos preferindo. 

Voltando a receita...

Lavei os tomates, retirei aquele "olho" do cabinho, e as sementes (cuidado pra não estragar seus tomates neste processo. Corte-os apenas ao meio verticalmente, e seja cuidadoso).
Aí então, passei neles uma misturinha que basicamente é: Para 7 tomates inteiros, 4 colheres de sopa de açúcar, e 1 de sal. É só misturar bem, e depois salpicar nos seus tomates por dentro e por fora (por fora não gruda muito, então capricha na parte de dentro e distribua todo o conteúdo).

Aí é só levar ao microondas.
O lance é o seguinte... são 7 vezes, sendo 3 minutos cada, com os tomates virados com o seu interior para cima, sempre em potência alta. E em cada pausa, escorra o líquido dos tomates.

Depois de pronto, e não te problemas se eles ainda estiverem quentes, num pote pequeno, intercale seus tomates com camadas de azeite, alho desidratado, cheiro verde desidratado (salsa e cebolinha), e orégano desidratado. 

Comece e termine o seu pote com as camadas de azeite e temperos. E a ideia de utilizar um pote pequeno, é você conseguir fazer pelo menos umas 3 camadas. Isso vai garantir um sabor uniforme. 

Deixe na geladeira por pelo menos 1 dia pra ele agregar melhor todos os sabores.

Só isso. Muito simples, rápido, prático, rende pra caramba, e fica muito gostoso!

E sem falar no orgulho de saber que você que fez este tomate que parece tão complicado, caro...
Vai fazer bonito com os seus amigos nos seus jantares e lanches, e ainda terá a certeza que só tem alí ingredientes de primeira e muito carinho!

Fica a dica:
A receita original, indicava lâminas de alho, ao invés do desidratado que indiquei. A diferença, é que o alho crú tende a azedar em até 5 dias na geladeira, enquanto o desidratado pode durar muito mais tempo.
Na original também não levava nenhum orgânico, mas tudo bem quanto a isso porque não altera o sabor. 
Se você consumir ele em menos de 5 dias, minha dica é que você nem precisa dispensar o azeite que sobra. Além rico em sabor pra você utilizar em qualquer outro preparo, você pode reutilizar para o seu próximo lote de tomates secos, desde que seja ainda nos primeiros 5 dias.
Harmoniza muito bem com lanches rápidos, pizza, macarrão, risoto, e vai bem até processado com ricota!
Também harmoniza bem com cervejas fortes, mas esse é só um detalhe, hahahah. ;)
Scroll to top